sexta-feira, 16 de outubro de 2009

CHEFE DE EQUIPE

Há dias um amigo me convidou para participar de uma prova de kart. Aí, me lembrei que talvez eu seja um dos pilotos de carreira mais rápida da história. Eu estava atendendo aos meus clientes em Lisboa quando um deles me convidou para uma prova de kart no final de semana. Dentre muitas promessas de recordes e marras de toda natureza, resolvi topar o desafio. Afinal de contas, eu era o único brasileiro da turma e, claro, tinha que honrar a tradição do nosso automobilismo. Era só essa a minha missão. O local da prova foi o KIP - Kartódromo Internacional de Palmela que fica próximo à cidade de Setúbal, distante aproximadamente 40 km de Lisboa. O sábado havia amanhecido lindo e com sol. Chegando ao local, avistei a pista e senti uma ansiedade legal pela experiência e com muita vontade de sentar logo no carrinho e enfiar o pé no acelerador. Com muita calma, o instrutor orientou sobre as regras da prova, segurança, classificação etc. coisas que a gente mal ouvia tamanha nossa vontade de sentar logo nos carros e correr. A classificação não revelou o talento dos melhores pilotos e eu acabei ficando no pelotão da merda como dizia o Piquet. A largada foi dada por volta das 14h00min horas e, a essa altura, o sol impiedoso castigava o asfalto. Logo na largada, consegui fazer minha única ultrapassagem em dois carros que haviam se enroscado e nada mais. Após algumas voltas, o cheiro do combustível e o calor insuportável foram me embrulhando o estomago de tal forma que fui obrigado a abandonar a prova. Logo os fiscais vieram em meu socorro, mas não dava para continuar e eu abandonei a prova. Nem água eu consegui beber naquela tarde. Somente muitas horas mais tarde é que voltei ao normal. O único consolo foi de que outros mais jovens também abandonaram. Quando agora veio o convite, lembrei-me da minha carreira relâmpago de piloto e logo me ofereci para ir sim, desde que como chefe da equipe.

(Reprodução -
Colaboração do Quintal que é brother há mais de 30 anos, apreciador e produtor de bons vinhos)

9 comentários:

Pé de Chumbo disse...

Olha, eu gostaria de correr de kart também...
Mas sou muito pesado, quase 100 kilos, o bichinho ia sofrer muito pra conseguir alguma coisa...
Será que não dava pra dividir em peso do piloto, igual no boxe?
Peso pena, galo, meio medio, medio, pesado?

Helio Herbert disse...

Ô Pé quer dizer que você vai de 0 a 100 em 2 segundos só pisando na balança...

Buonanno disse...

Hélio,

O Pé é um piloto rápidissimo.

De Gennaro Motors disse...

caro amigo...

aproveite para ver as fotos que fiz hoje da F1.

http://degennaromotors.blogspot.com/2009/10/de-gennaro-motors-no-gp-brasil-de.html

Joel Marcos Cesetti disse...

Agora vcs já sabem porque um piloto ganha tanto dinheiro para pilotar não é mole não certo?

Jonny'O disse...

Hehe...pô meu ,que vexame hehehe.. fiquei imaginando e dando risada.

Mas é bom saber ,quando tiver uma oportunidade de andar de Kart vou antes dar um reconhecimento ,se for muito fora de base ,sei lá ,dou uma desculpa esfarrapada.

roberto zullino disse...

Kart é coisa de moleque com preparo físico. Andei a vida toda e sempre detestei, coisa de masoquista.
Meu preparador arrumou dois karts dois tempos e obrigava todos os pilotos da equipe a treinarem toda quarta feira de tarde, um saco, ainda bem que nos revoltamos.
Na inauguração do kartódromo da granja fizeram uma corrida de pais e filhos. Na saída deixamos a molecada para trás, liderei a maioria, mas depois de 10 voltas a molecada "pouca prática" já tinha aprendido e nos deu o maior couro, eram 30 karts, dos velhos o que chegou melhor colocado fui eu em péssimo terceiro e mesmo assim porque dois moleques sairam da pista irremediavelmente. Sem preparo físico kart não é diversão, é tortura.

Buonanno disse...

Sempre que se fala de kart, eu lembro do Maneco dizendo que quando já era mais velho, corria enfaixado. A outra que lembrei agora foi o Senna sobrinho que não podia correr de kart pois teve várias fraturas.

Speed disse...

Belo texto, Quintal!

Adoro correr de kart. Nunca pilotei um modelo profissional, mas mesmo com um indoor de 7hp é possível ter boas emoções.

Mesmo pesando quase na casa dos três dígitos, é possível ganhar corridas, se tiver sorte de pegar uma unidade bem ajustada.

Trinta minutos de prova já são suficientes para cansar. É preciso estar em boa forma física para andar mais que isso.

Também não se pode comer muito antes da corrida, pois o enjôo é certo.

A pista da Granja Vianna é sensacional! Tem um traçado interessante que exige muito de piloto e carro. A maior reta termina em descida numa curva de 90 graus que, dizem, dá pra fazer "pé em baixo": nunca consegui.

A outra reta termina em uma pequena elevação, numa curva de 70 graus para a esquerda, cuja tangente fica escondida: muito legal!

Sempre que pinta um convite vou.