sexta-feira, 23 de outubro de 2009

LANGERRI

Sempre que retornava das viagens mais longas eu trazia um mimo para o pessoal lá de casa. Certa vez, a estadia tinha sido no Porto e com a agenda cheia, não tinha tido tempo algum de folga, ou seja, na noite da véspera de mais uma viagem de retorno eu não tinha comprado nada. Apesar do adiantado da hora fui ao Shopping Brasília que fica muito próximo ao hotel que eu estava e naquela altura era a única alternativa possível. E, já que falei no Brasília, somente como curiosidade, ele foi o primeiro shopping Center a abrir em Portugal. Naquele tempo era um shopping pequeno, ainda com algumas lojas para alugar e não oferecia muitas opções. Mas era o que eu tinha. Passando em frente a uma pequena loja de moda feminina resolvi entrar e perguntar por alguma sugestão. Logo apareceu uma senhora e eu lhe expliquei que queria dar um presente para minha esposa. Ela disse que havia muita coisa bonita e me perguntou se minha esposa era brasileira ou portuguesa. Respondi que era brasileira sem entender a razão da pergunta. De qualquer maneira respondi. De repente, ela me disse que então era melhor um modelo mais moderno, do tipo fio dental, porque as brasileiras gostavam mais de mostrar o
do que as portuguesas. Bom, ainda estava tentando disfarçar o susto causado pela afirmação quando ela trazendo outra caixa complementou o comentário dizendo que as portuguesas usavam cuequinhas muito grandes. Depois disso, é que caiu a ficha de que o problema tinha sido só de linguagem e ainda hoje, quando vejo os movimentos entre os países de língua portuguesa para a unificação da língua, fico imaginando o trabalho que isso ainda vai dar.

(Reprodução - Colaboração do Quintal que é brother há mais de 30 anos, apreciador e produtor de bons vinhos)

13 comentários:

Leandra Giovanetti disse...

quando estive por lá, sofri um pouquinho para entender o vocabulário!!
E algumas coisas são bem engraçadas!

Francisco J.Pellegrino disse...

O M usa cuecão de couro....

Buonanno disse...

Quem diria!

E os posts do meu amigo Quintal estão atraindo os comentários das moças para o blog. Legal!!!

roberto zullino disse...

Não assisto a RTI por duas razões: primeiro é uma merda, segundo não tem legenda.
Quando vou para a terrinha ou faço negócios com os patrícios contrato um intérprete.

Speed disse...

Legenda na TV portuguesa? Boa Zullino, muito engraçado!

As diferenças de língua, usos e costumes entre os países me enchem de curiosidade e, para mim, são das partes mais interessantes de uma viagem.

Estas histórias do Quintal são sempre gostosas de ler. Tive o privilégio de ouvir algumas "ao vivo e a cores", quando ficam ainda mais legais. O Buonanno teve uma grande idéia ao eternizá-las no blog.

regi nat rock disse...

É dose aguentar as "traduções". qta bobagem.
Manda ai um durex por favor. Pra quem não sabe "camisinha".
E eu só queria grudar uma pagina em outra....

Buonanno disse...

O que o Zullino falou é verdade. As vezes, coloco na TV portuguesa só por curiosidade e realmente não dá para entender nada.

Sem contar que eles falam todos, inclusive o mediador, juntos.

Boa Régis, não conhecia essa.

Buonanno disse...

Na verdade, a idéia de colocar as histórias do Quintal foi uma decisão conjunta de quatro pessoas com mais de 30 anos de amizade.

pacheco disse...

Esta me faz lembrar um primo. De certa feita, após almoçar no restaurante no Porto em Portugal. Ele perguntou ao garçom se tinha cartão para pagar a conta. De pronto, o garçom, com o inconfundível sotaque respondeu:
- " quem tem que ter cartão és tu"!

João Manuel disse...

Boa noite,
Este post é bem engraçado e levanta realmente algumas questões!
Eu, desde que me conheço me lembro de um Tia minha de origem Brasileira. Embora há largos anos em Portugal, nunca perdeu o sotaque e as expressões caracteristicas. Talvez por isso nunca tive dificuldade em entender a lingua.
Quanto à legendagem da RTPi... cá em Portugal a primeira novela que passou foi a "Gabriela". Bem feita, com bons actores, baseada numa história de um grande Escritor, ...o problema é que muita gente reclamava que não entendia os dialogos por não ser legendada!
Mesmo aí no Brasil há grandes diferenças de sotaque. Ponham um Nordestino em São Paulo a falar depressa e vejam se o entendem!
...de qualquer maneira é bem verdade que na grande maioria dos debates falam todos ao mesmo tempo e nem nós Portugueses os entendemos (quer os dialogos quer os conteudos!)
O significado das palavras tambem por vezes cria confusões e más interpretações. Só para terem como exemplo, cá em Portugal chamar rapariga a uma adolescente não tem qualquer significado ofensivo. Já aí...
Tudo isto significa que a Lingua Portuguesa é rica e variada. Temos apenas que saber lidar com ela e falar e escrever correctamente para que nos possamos entender todos.
João Manuel

Buonanno disse...

João Manuel,

Que bom que tenha gostado. A idéia é essa mesmo. A de mostrar as diferenças da linguagem e dos costumes.

Um abraço e volte sempre.

RACER X disse...

Como eu sou o único brasileiro lá em casa, eu já nasci com tecla SAP no cérebro.
Meu pai, o finado João Quaresma Mendes, por ter siso mais "socialmente"ativo que minha mãe, conseguiu perder um pouco do sotaque, mas não totalmente.
Já minha mãe, por ficar cuidando da casa fulltime, mantém até hj o linguajar da terrinha.
Para vcs terem uma idéia, a agenda telefonica lá de casa tem pérolas como Vilma costureira, na letra B. Isso mesmo! era um martirio achar o telefone de alguem naquela agenda.
Como saberia que a Dona Vilma costureira estava no B?
ora pois, é a dona BILMA costureira, raios!!!

Buonanno disse...

hahahahahaha Racer X, sensacional.

Sempre pensei que o tal do Binho (vinho) fosse gozação.

Valeu!