quarta-feira, 29 de julho de 2009

PERIGO!

(acabou!)Se você é motociclista, saia dessa enquanto é tempo. A medida que o número de mortes com pedestres, que sempre foi o maior do ranking de acidentes de trânsito, está estabilizado em 10.000 vítimas por ano desde 2001, o de mortes por acidentes de moto aumentou 131% no mesmo período (2001 a 2006) e passará a ser o maior causador de mortes no trânsito ainda este ano, segundo o Instituto Brasileiro de Segurança no Trânsito. São, pelo menos, 19 pessoas que morrem diariamente em acidentes com moto no Brasil. Segundo os especialistas, isso não se deve unicamente ao aumento da frota, mas sim a falta de um programa de formação para os motociclistas. Moto? Tô fora!

(Reprodução
- Folha de S. Paulo)

21 comentários:

M disse...

Já vendi a minha Gulivete !

Buonanno disse...

Gulivete. Essa é antiga.

Eu me lembro de um primo que tinha uma. Foi bem antes da Mobilete.

M disse...

Hehehehhh...
E eu tive uma mesmo !
Coisa do tempo de amarrar cachorro-com-linguiça !
Depois da Gulivete, apareceu a Monareta, com motor NSU; e a Leonete, com motor Jawa.
Depois da Gulivete, tive uma Italjet 75 c.c. Esta sim, era um "foguete" !

Vicente disse...

Pois eu tive um passado motociclístico bastante sui-generis. Sempre tive motos inglesas, tais como Triumph Bonneville 650, HRD-Vincent 1000, Triumph Tiger 650 (depois convertida em Bonneville), Norton 500 Dominator - Modelo 88 (quadro de Norton Manx) e BSA Thunderbolt 650. Gosto de motos européias mas não tenho mais. Gostaria de ter uma Ducati 900, meu sonho em duas rodas, até mais que as idolatradas MV Agusta.
Sinto saudades.

Gilles 313 disse...

Eu só fui ter moto depois dos 40..tive uma CBR1000 e depois de um tombo besta a menos de 50 km/h dei uma parada..e em 2006 voltei com uma Triumph 955i que tenho até hj e ando pouco.

Meu irmão, como era AJUIZADO, sempre teve desde moleque..começou com uma VeloSolex preta..passou para uma Suzuki 50 cc, uma 500 Four, e eu chupando o dedo gordo...nem uma Maxi Puch consegui, hj ele tem uma Buell.

Vicente disse...

Não consigo imaginar Mr.M, que gosta de motores possantes, andando de Gulivete, Monareta e Italjet. Com um pouco de imaginaçao, até que a rima é boa.

M disse...

Monareta não ! (tinha só 2 marchas)
Mas a Italjet era o máximo nos meus 15 anos !
Depois os motores foram crescendo. Passei pelas inglesas, até chegar nas BMW. A R100RS foi a última.

Francisco J.Pellegrino disse...

M, vc é dos tempo das Indians Chief....fala sério.

Buonanno disse...

Ô loco!

Indian Chief deu origem às Harley, né?

Belair disse...

Decretei minha aposentadoria "bikística" em 92,nunca mais.
Já com relação ao post,os malucos continuarão se matando,diáriamente,com as mais absurdas desculpas:horário a cumprir,tarefas demais,prestações a pagar,etc,etc.
Até acho que ocupar o corredor entre carros tem lá sua "lógica",pois andar de moto sem se beneficiar disso seria meio contrasenso.Mas disciplinar isso seria fundamental,como permitir somente quando o fluxo de automóveis estiver lento ou interrompido,e mesmo assim com velocidade LIMITADA,de acordo com a via.Conviver com as velocidades absurdas com que esses boys passam é uma loucura que precisa ser coibida,além da extrema falta de educação dos mesmos,e também a sensação de POSSE das vias que adquiriram com o passar dos anos.Não se pode pode mais mudar de faixa no transito sem provocar as mais iradas reações,mesmo acionando piscas.
Esperar que as autoridades ajam a respeito já se tornou uma espera inútil,assim como esperar o milagre de que a "categoria"se auto-discipline.Resta então à população em geral(os de bom senso pelo menos)que PRESSIONEM para acabar com essa MATANÇA descontrolada,que já passou há muito tempo dos limites do aceitável.
E olha que nem estou tocando no assunto dos bilionários prejuízos causados pelos acidentes envolvendo motos,TODOS os dias.Reparem; a grande maioria dos congestionamentos em São Paulo são provocados por algum acidente envolvendo motos.TODOS os dias!!!

M disse...

Indian não tem nada a ver com Harley !

O Belair tem razão !
Os motoboys retardados com estas merdas de 125cc são a desgraça do trânsito !
Além dos congestionamentos que causam, a maior raiva é saber que ainda nos custam uma fortuna com os resgates !
Deveriam catar as caráças dos FDP que se esborracham nas marginais e jogar no rio. Ô raça maldita...

M disse...

N.York tb sofria com os motoboys !
Mas aquele prefeito linha dura (Giulliani ?) decretou um seguro obrigatóiro caro prá bedeus, que resolveu o problema !
E quem é pego sem seguro perde a moto vai prá cadeia.
Aqui teriam que abater os FDP a tiros...

roberto zullino disse...

Tenho moto desde os 12 anos, as mesmas de sempre, Italjet, Gullivetti, mas tive uma Mondial Record, uma cincoentinha endiabrada.
Aos 20 comprei uma BMW R69S, uma máquina e tanto. Mandei pintar de vermelho com os frisinhos brancos. Ficou linda, mas os velhos que tinham BMWs ficaram horrorizados, mas como eu era moleque aceitavam e pagavam as contas. Era tudo rico, um mais que o outro e só andavam com gasolina verde dos aviões próprios. A R69S só andava bem na AviGás. Usei a BMW a faculdade toda, nunca me deu o menor problema. Viajava todo final de semana e jamais aconteceu alguma coisa.
Tive uma Kawasaki 500 cc dois tempos H1, uma merda e tanto, só tinha motor, chassis ruim, freio ruim, dura. Troquei em uma CB750 Honda zero Km, a única moto zero que tive. Muito boa, usei uns 4 anos e nunca queimou uma lâmpada. Tive um acidente com ela na estrada de Campos do Jordão e quebrei a clavícula, praticamente meu único acidente onde quebrei alguma coisa. Sosseguei o facho e vendi.
Em paralelo comprei uma Yamaha TD1 250/350 cc de corrida. Corri 3 anos com ela com uma queda apenas, mas em situação gloriosa. Na chuva e na frente de um monte de medalhões. Essa moto é minha até hoje, mas estava com o Anão Maldito. Ele morreu e não vou ficar arrumando briga com a irmão e com o véio. Não vejo o menor problema em correr de moto, é muito seguro e se o camarada só quiser fazer um H o máximo que acontece é dar umas raladas no macacão e na pele. É muito menos perigoso que andar na rua.
Depois de um tempo comprei uma BMW R90S com carburadores Dell´Orto, uma bela máquina. Usei-a por 10 anos e vendi há pouco tempo. Uma das razões era meu filho pegando a BMW e deixando suja além de escachar as coisas como sempre. Minha falta de reflexos também me motovou a vender, acho que esgotei minha dose de sorte.
Hoje tenho uma Honda CB 350 1973 com 25 mil kms originais, manual, caixa de ferramentas original, partida elétrica. Uma merda total, tem freio a disco, mas a suspensão não deixa frear, o chassis é ruim. Só uso para ir no bar e na padaria e fazer uma ou outra comprinha no supermercado. Está bom demais.
Meu pior acidente em termos de dor foi com a Mondial Record. Eu entrei na rua Veneza para a Conselheiro Zacharias e achei que ia fazer a curva na guia. A moto entrou em um rebaixo de carro, subi na calçada e minha perna fez a curva naquelas plantas chamadas Espinhos de Cristo e os espinhos entraram todos na minha perna, da coxa ao pé. Fui para casa até a Rua Batataes urrando de dor. Tiveram que cortar o jeans de tão inchada que a perna ficou. Mas depois de umas horas e uns Fenergans passou, nada como ter 14 anos.
Meu pior acidente em termos de risco de vida foi parado. Sai do bar da granja que fica a 50 metros de minha casa e liguei a R90S. Tinha trancado o disco e a moto travou e me jogou no chão. Cai de costas com os omoplatas e bati a cabeça no chão rachando o capacete e ficando tonto. Minhas costas ficaram roxas. Se não estivesse de capacete teria morrido.
Não recomendo para ninguém, mas dei moto para meus filhos tão logo fizeram 10 anos e não me arrependo, um menino e uma menina. Disse aos dois que já que queriam andar de moto que não fosse na garupa dos outros, ainda mais na Granja onde todos os menores tinham carros, motos, etc... As pessoas devem morrer por culpa própria e não de passageiro de outro. Não dá para impedir que as crianças andem na garupa de outros, então, que ganhem moto e moto razoável, tem que sentir medo da moto, quando perdem o medo acabam fazendo merda. Nunca aconteceu nada com eles.
Além disso, moto é como tennis, tem que aprender de menino, pessoas que aprenderam com uma certa idade só fazem merda.

roberto zullino disse...

Moto é esporte e não meio de transporte. Jamais fui trabalhar em escritório de moto. Sempre usei para viajar e me divertir.

Motoboys apenas são exemplos do erro de se considerar motocicleta como meio de transporte.

Apesar do veículo ser o mesmo, as situações são completamente diferentes.

M disse...

Zullino,
Fiz uma parecida com a BMW !
Parei na rua e travei o guidão. Quando sai, esquecí de destravar e tomei o maior tombo, praticamente parado !

Tiago CM disse...

Olá,

sou novo nos comentários mais já acompanho o blog, que por sinal é muito bom, faz um tempo.

Concordo com o Zullino em seus comentários a respeito de como se deve usar uma moto.
Tenho 20 anos e já tive uma dragstar 650 e agora estou com uma mt-03 da yamaha. Ando de moto todo final de semana que está sol, mas apenas de final de semana.
Moto exige muita atenção e no dia-a-dia esta atenção se torna inviável, devido a preocupações corriqueiras, e então os acidentes acontecem. Em minha opinião, moto tem que ser usada como diversão e nào como meio de transporte.

Buonanno disse...

Tiago CM,

obrigado pelo elogio e pelo comentário.

Volte sempre.

Vicente disse...

M,
Deixe de lado a modéstia. Diga a todos que seu primeiro trabalho como engenheiro foi a substituição da frente tipo "estilingue" das Indian Chief pela telescópica, no início dos anos 50, junto com o aumento da cilindrada, passando de 1200 para 1300 cm3.

roberto zullino disse...

Aprendi alguma coisa nesses 48 anos de motociclismo. Primeiro tem que ter alguma sorte, sem isso é melhor ir jogar peteca.
Segundo, a posição de dirigir é a coisa mais importante que tem, o piloto tem que ficar acomodado de maneira a poder controlar tudo e variar a distribuição rapidamente e facilmente.
Só ando de moto trail, streets ou esporte, ou seja, as em que os pés ficam na linha do corpo e mesmo para trás. Com isso, dá para rapidamente se jogar para a frente ou para trás no caso de necessidade. Várias vezes tive que frear dentro de curva, jogar o corpo em cima da roda dianteira ou mesmo tirar a bunda do assento e apertar os pés contra a pedaleira que é a maneira de se controlar o shimmy em alta velocidade (shimmy é o guidão oscilando ou mesmo o chassis torcendo em alta velocidade).
Essas motos lindas que estão em moda, as tais custom, não deveriam ter sua circulação permitida, todas tem a posição GINECOLÓGICA com os pés para a frente, muito confortável e estética. Isso é um perigo e uma burrice, qualquer coisa que aconteça o piloto vira passageiro, não vai poder usar o corpo, pois está confortavelmente com a bunda no assento, mas sem condições de se mexer rapidamente. Essas motos geralmente são compradas por neófitos ignorantes que aprenderam a andar mais velhos e depois de ganhar algum dinheiro. Por isso, aceitam andar nessas cadeiras elétricas.
Falando em dinheiro, o mesmo não tem a menor importância na aquisição de motos, se o camarada for fanático e souber andar a grana aparece sempre, basta querer mesmo. O duro é explicar.

JOAO DE SANTIS disse...

b E foi aprovado pelo governo federal o moto taxi

SINTA O DRAMA

joao

ranporto disse...

Existem os bons e os maus motociclistas (assim como acontece com os motoristas de carros), de qualquer maneira, um erro quando se está guiando uma moto é muitas vezes mais fatal do que em um carro. Algumas vezes utilizo a moto como meio de transporte no dia-a-dia, acho absurda a profissão de "moto-boy" sem falar no "moto-táxi". Eu sempre ouvi "não compre moto", "não ande de moto" ... sejamos sempre prudente, tanto em uma moto, em um carro, bicicletas e pedestres ! O trânsito mata muito mais pela falta de respeito as leis do que pelo tipo de veículo de transporte.